sábado, 29 de julho de 2017

Pular do barco







É melhor permanecer a bordo do barco, consertar as rachaduras e redirecionar o curso. Porque, se abandoná-lo, você vai pular no mar. E, se era você quem controlava o timão, não será o único a se afogar. 


--------Farmácia literária, Ella Berthoud.

sábado, 1 de abril de 2017

O valor de Shakespeare





 por Harold Bloom


"Sendo Johnson, há meio século, meu leitor ideal, recorro agora ao trecho que mais me agrada do Prefácio a Shakespeare.

Eis, portanto, o valor de shakespeare, o fato de sua dramaturgia ser um espelho da vida; quem confundiu a própria imaginação, seguindo fantasmas nos labirintos criados por outros escritores, será (com Shakespeare) curado dos delírios extáticos, ao ler sentimentos humanos descritos em linguagem humana, ao assistir a cenas que permitem ao eremita entender as transações do mundo, e ao confessor prever o curso da paixão.

Para sermos capazes de ler sentimentos humanos descritos em linguagem humana precisamos ler como seres humanos - e fazê-lo plenamente. Somos mais do que ideologia, sejam quais forem as nossas convicções. ___________________________
in Como e Por Que Ler

sexta-feira, 31 de março de 2017




"Também sou uma vítima do nazismo e fui enviada a um campo de concentração. Mas diferente de Anne (Frank), sobrevivi...
meu pai nos levou até o sofá, juntou-se a nós e nos abraçou. Ele nos disse que estávamos unidos como os elos de uma corrente, e que daríamos continuidade à nossa família por meio dos nossos filhos. - Mas e se não tivermos filho? - Heinz (irmão da autora) questionou.
- Crianças, prometo uma coisa: tudo o que vocês fazem NESTE MUNDO DEIXA UMA MARCA. Nada se perde. Tudo o que vocês fazem DE BOM VAI PREVALECER NA VIDA DAS PESSOAS COM QUEM VOCÊS TIVERAM CONTATO. Essas ações e atitudes farão a diferença.
Para alguém, em algum lugar, em algum momento, e as suas realizações serão levadas adiante. Tudo está conectado como uma corrente que não pode ser rompida...

Neste livro, vou contar a vocês como tentei fazer o meu melhor para deixar uma marca no mundo. 


_________________________________

Depois de Auschwitz, Eva  Schloss.

quinta-feira, 30 de março de 2017

Arnaldo Jabor e seus mitos literários





"O autor máximo da minha vida, a coisa mais importante que aconteceu para mim em termos de literatura foi Eça de Queirós. Para mim foi a descoberta do pensamento. Com 12 anos de idade, comecei a ler Eça na casa do meu avô e isso abriu minha cabeça como uma luz. Ele escreve divinamente e ao mesmo tempo tem aquela descrença do mundo real, a crítica mordaz, a ironia, a sacanagem, o humor. Para mim Eça de Queirós é o pai total. Sou filho desse pensamento. Na literatura brasileira, outra luz que entrou na minha mente foi João Cabral de Melo Neto, que eu considero um dos maiores poetas. E Nelson Rodrigues, que também é um filho de Eça de Queirós. Mas também tem muita importância para mim a literatura americana: li muito Faulkner, Steinbeck, Eugene O' Neill, Tennese Williams, os beats. Essa coisa meio leve e rápida da escrita americana me influenciou um pouco, assim como alguns autores "menores", como Normam Mailer - que tem uma radicalidade perfurante, aquela mistura do psicológico com o econômico, da coisa social com a coisa psíquica - e Hunter Thompeson, um dos autores do New Journalism. 


_________________________________________________
Citado em entrevista para a revista Cult de setembro de 1997

quarta-feira, 29 de março de 2017

Escrevo






ESCREVO POR NÃO TER nada a fazer no mundo: sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens. Escrevo porque sou um desesperado e estou cansado, não suporto mais a rotina de me ser e se não fosse sempre a novidade que é escrever, eu morreria simbolicamente todos os dias...Experimentei quase tudo, inclusive a paixão e o seu desespero. E agora só quereria ter o que eu tivesse sido e não fui. 


Clarice Lispector em A Hora da Estrela